Como a laranja se espalhou e se popularizou no Brasil?

Sabemos muito pouco sobre a história das coisas à nossa volta. Itens que usamos e consumimos todos os dias, como o fogão, o sapato, o sutiã, a caneta, a batata e uma imensidade de outros produtos nos é desconhecida. Mas como somos apaixonados por laranjas e a cultivamos há mais de 40 anos, resolvemos contar a vocês um pouco sobre a trajetória dessa fruta tão saborosa e querida pelos brasileiros.

Pois bem, vamos lá (mas antes, a dica para aproveitar mais a leitura é chupar uma apetitosa laranja ou fazer um belo copo de suco!).

A partir de 1530 o governo colonial português decidiu efetivamente colonizar as terras brasileiras, repartindo o território da colônia entre uma dezena de seus homens de confiança, que tinham que povoar e produzir açúcar em áreas chamadas de capitanias.

Com a chegada de novos habitantes apareceram as primeiras árvores frutíferas e é a partir daí, 1530/40, que os estudiosos costumam situar o princípio da citricultura no Brasil. Os documentos e livros que retratam o Brasil do início da colonização citam a excelente adaptação climática das árvores cítricas na costa brasileira.

A citricultura brasileira é, portanto, só 40 anos mais nova que o próprio país. Os primeiros registros de plantios de laranjas e limões no Brasil foram feitos na Capitania de São Vicente.

As mudas e as técnicas foram trazidas da Espanha, pelos colonizadores portugueses, para criar um abastecimento de vitamina C, antídoto do escorbuto que dizimava a maioria das tripulações no período dos descobrimentos e da colonização da América Latina.

Hoje em dia, nosso país conta com mais de um milhão de hectares de plantas cítricas em seu território. Somos, desde a década de 80, o maior produtor mundial. A maior parte da produção destina-se à indústria do suco, concentrada no estado de São Paulo, responsável por 70% das laranjas e 98% do suco que o Brasil produz.