Volta às aulas: seu filho precisa de mais Vitamina C

O fim das férias é um momento de grande preocupação para os pais: além dos gastos extras com o uniforme e o material escolar, os responsáveis ainda precisam se preocupar com a readaptação das crianças ao ritmo dos estudos. Ao voltar a frequentar a escola, muitos estudantes correm o risco de ficar doentes.

“As crianças viajam, entram em contato com outras pessoas e acabam levando para a escola um monte de bactérias novas”, explica Milton Orel, otorrinolaringologista do Hospital Cema. A dica para evitar a transmissão de viroses e infecções é colocar em dia a caderneta de vacinação e focar na higiene.

“Para crianças a partir dos 4 anos, é preciso reforçar a importância de lavar as mãos antes das refeições e depois de usar o banheiro. Os adolescentes podem levar álcool em gel”, diz Carla Dall Olio, coordenadora da emergência pediátrica do Hospital Barra D’Or.

Segundo o Conselho Brasileiro de Oftalmologia, 20% das crianças em idade escolar apresentam distúrbios oftalmológicos por conta dos erros refrativos, como miopia, hipermetropia e astigmatismo, por exemplo. Por não enxergar direito, muitos estudantes apresentam dificuldades de aprendizado durante o ano letivo.

Práticas ideais

Comece a adaptar seu filho a ir dormir e acordar nos horários do período escolar. Voltar a estudar cansado pode prejudicar a atenção e a imunidade da criança. Melhore a alimentação de seu filho, incluindo no cardápio frutas, verduras e legumes. Alimentos que contenham vitamina C, como a laranja, ajudam a fortalecer o sistema imunológico. Aproveite o período para reforçar a ingestão de água

O peso da mochila, quando cheia, não deve ultrapassar 10% do peso do estudante. Isto evita dores e futuros problemas de coluna. As bolsas devem ser organizadas diariamente, para que o aluno não carregue materiais desnecessários

Os pais e responsáveis devem observar se as escolas estão preparadas para o combate aos mosquitos, como o Aedes aegypti que transmite dengue, zika e chikungunya, além da febre amarela

Estudantes que precisam receber medicação no horário escolar devem informar sua necessidade às escolas e novos professores, para que o tratamento seja mantido.

Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria